Quaresma: Tempo de penitência

A Quaresma é um tempo de forte penitência, mudança de vida e de conversão. Mas muitas vezes as pessoas que fazer penitência ou melhor, dizem que vão fazer jejum de “falar mal dos outros”, de “fazer mal para os outros”, esquecendo-se que isto não é penitência e sim PECADO. O jejum que agrada a Deus é de alimento e de bebida, seguido de doar aos mais pobres tudo o que deixou de comer e de beber em dinheiro.
Nesta semana quero falar da penitência que agrada a Deus! Qual é o sentido da penitência? Certamente, não é para nos punir física ou espiritualmente. A mortificação não é um fim, e sim um meio de se chegar à santidade.
A Igreja nos ensina que “aos olhos da fé, nenhum mal é mais grave que o pecado; e nada tem consequências piores para os próprios pecadores, para a Igreja e para o mundo inteiro” (Catecismo n. 1488).
Olhando para Jesus, desfigurado e destruído na Cruz, é que entendemos o horror que é o pecado. Por isso, Jesus veio a nós como “o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” (João 1,29). A nossa luta é contra o pecado; e tudo que a Igreja nos oferece é para nos livrar dos pecados. É neste sentido que entra a penitência. Não é fácil vencer as nossas fraquezas, as paixões desordenadas e as tentações do demônio.
Então, assim como Jesus jejuou e orou quarenta dias no deserto para poder vencer, humanamente, as tentações do inimigo, nós também precisamos disso. De modo especial, a Igreja recomenda o jejum, a esmola e a oração como “remédios contra o pecado”, para fortalecer o nosso espírito no combate espiritual. Jesus nos alertou: “Se não fizerdes penitência, todos perecereis” (Lc 13,3).
O primeiro remédio contra os nossos males deve ser a oração. Sem a oração perseverante, não temos força para vencer o pecado, pois Jesus disse: “Sem Mim nada podeis fazer” (Jo 15,5). Santo Afonso de Ligório, doutor da Igreja, dizia: “Quem reza se salva, quem não reza se condena”. Sem a oração, a meditação da Palavra de Deus e a vida sacramental (Confissão e Eucaristia), não vencemos o pecado.
Qual a penitência ou mortificação que eu preciso fazer? É aquela que ajuda-me a vencer os meus pecados.
Se eu sou soberbo, então, minha penitência deve ser o exercício de humildade. Fugir do orgulho, da vaidade, do desejo de aparecer, de me exibir, de procurar aplausos, de querer fazer valer a minha vontade, de querer falar em primeiro lugar; deixar de ser arrogante, prepotente, autossuficiente e dado à presunção. Devo cultivar o silêncio, a obediência e o último lugar.
Se o meu pecado é o apego aos bens materiais e ao dinheiro, então, eu preciso exercitar, e muito, a boa esmola e o desprendimento do mundo. São Pedro diz que “a caridade encobre uma multidão de pecados” (1 Pe 4,8). “Tenhamos caridade e humildade e façamos esmolas, já que essas lavam as almas das nódoas dos pecados”, dizia São Francisco.
Se meu mal é a luxúria, a impureza, então, vou exercitar a castidade: nos olhos, nos ouvidos, nas leituras, nos pensamentos, nos atos; vou fugir de tudo que possa excitar-me. Jesus mandou vigiar e orar, porque o espírito é forte, mas a carne é fraca.
Se sou irado e raivoso, vou exercitar a mansidão; não vou dizer palavras pesadas ou ofensivas aos outros; serei tolerante com quem erra e terei complacência com quem me ofende. Se sou invejoso, vou exercitar a bondade; vou desejar o bem a todos e nunca torcer para que alguém se dê mal em seus negócios e em outras coisas. Santo Agostinho dizia que a inveja é uma característica do demônio. Se sou preguiçoso, vou trabalhar melhor e ser diligente em servir aos outros sem interesses. Se eu tenho o pecado da gula, então, vou fazer um jejum adequado às minhas necessidades e possibilidades. Pode ser, por exemplo, deixar de almoçar ou de jantar; cortar a sobremesa ou, até mesmo, um jejum a pão e água.
São Francisco de Sales dizia que a melhor penitência é aceitar de bom grado o sofrimento que Deus permite que nos atinja, pois Ele sabe qual o remédio que precisamos tomar. “Os males desta existência não são punições, e sim correções a filho que ofende”, dizia Santa Catarina de Sena.
Outra boa penitência é aceitar de bom grado as repreensões que recebemos, sem revolta; é sinal de que amamos as virtudes contrárias aos nossos defeitos. Saber aceitar uma correção fraterna, praticada com humildade e mansidão é uma boa penitência. Há muitas formas de penitência, e cada um deve se exercitar naquela que mais precisa.
Quando fazermos a penitência temos a liberdade para seguir mais de perto o que Deus espera de cada um de nós pelos Evangelhos!
Vivamos estes quarenta dias de especial graça como um tempo “eucarístico”. A Santa Missa deve ocupar o centro diário da sua Quaresma! Haurindo daquela fonte inexaurível de amor que é a Eucaristia, na qual Cristo renova o sacrifício redentor da Cruz, cada cristão pode perseverar no itinerário que hoje empreendemos solenemente. As obras de caridade (a esmola), a oração, o jejum juntamente com qualquer outro esforço sincero de conversão encontram o seu significado mais alto e valor na Eucaristia, centro e ápice da vida da Igreja e da história da salvação. “Este sacramento que recebemos, ó Pai assim rezamos no final da Santa Missa nos ampare no caminho quaresmal, santifique o nosso jejum e o torne eficaz para a cura do nosso espírito”. Pedimos a Maria que nos acompanhe para que, no final da Quaresma, possamos contemplar o Senhor ressuscitado, interiormente renovados e reconciliados com Deus e com os irmãos. Amém!

Padre Wagner Augusto Portugal

Você também pode gostar